CuritibaGeral

Pessoas em situação de rua voltam a estudar, em Curitiba

O grupo é formado por 14 homens, com idades entre 22 e 50 anos

 Pessoas em situação de rua voltam a estudar, em Curitiba

Foto: Sandra Lima

Nesta semana, 14 pessoas em situação de rua voltaram a estudar, em Curitiba. Depois de anos fora da sala de aula, os acolhidos pela Fundação de Ação Social (FAS) iniciaram nesta semana a Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Colégio Estadual Poty Lazzarotto.

O grupo, com idades entre 22 e 50 anos, faz parte do projeto Trilhas, que impulsiona a autonomia e auxilia os acolhidos a saírem da situação de rua. Para a diretora de Atenção à População em Situação de Rua, Grace Kelly, a escuta ativa é o ponto de partida para a mudança.

Durante as conversas, os 14 homens expressaram a vontade de voltar a estudar e de retornar ao mercado de trabalho. Todos receberam mochilas, cadernos e canetas, e precisaram fazer provas de equivalência para se matricular na EJA.

Além da educação, o projeto Trilhas também atua em outras áreas, como saúde, turismo e emprego. Atualmente, as unidades de acolhimento de Curitiba somam mais de mil vagas que contam com dormitórios, banheiros, sala de TV e refeitório. Grace detalha como funciona o processo de acolhimento no município.

Para acessar o serviço, a pessoa em situação de rua pode procurar espontaneamente as casas de passagem ou ser encaminhada pelas equipes técnicas da assistência social.

Reportagem: Mirian Villa

Avatar

Paula Duraes

Homem é preso acusado de produzir e compartilhar pornografia infantil

Homem é preso acusado de produzir e compartilhar pornografia infantil

A polícia foi acionada pelo WhatsApp, que percebeu a atitude suspeita do usuário

Delegada é investigada por trabalhar de forma remota no exterior

Delegada é investigada por trabalhar de forma remota no exterior

A servidora assinava documentos e exercia demais atribuições morando fora do país

Catedral de Paranaguá faz campanha para pedir fotos antigas

Catedral de Paranaguá faz campanha para pedir fotos antigas

Campanha faz parte do Projeto Marco Zero que é um plano arquitetônico de restauro