ParanáGeral

Polícia Civil investiga morte de vigilante envolvido no caso Arruda

Responsável pelas câmeras de segurança do local da festa do petista
Claudinei Esquarcini cometeu suicídio

 Polícia Civil investiga morte de vigilante envolvido no caso Arruda

Foto: Reprodução/ facebook

A morte do vigilante Claudinei Coco Esquarcini é apontada como um novo fato nas investigações da morte de Marcelo Arruda. Segundo a Polícia Civil, Claudinei cometeu suicídio ao se jogar de um viaduto. Imagens de monitoramento da via mostram que ele estava sozinho no momento em que pulou. Ele teria sido socorrido com vida, mas não resistiu. O vigilante era um dos diretores da Associação Recreativa Esportiva Segurança Física de Itaipu (Aresf), onde Arruda foi morto pelo policial penal federal Jorge Guaranho. O crime aconteceu no domingo passado (09) quando o guarda municipal e tesoureiro do PT comemorava o aniversário de 50 anos. De acordo com o advogado da família de Arruda, Claudinei seria o responsável pelo controle das imagens das câmeras de vídeo do clube e pode ter sido o responsável pela divulgação destas imagens para terceiros. Por isso, para Daniel Godoy, é fundamental que a morte dele seja apurada.

O Ministério Público do Paraná (MPPR) deve apresentar nos próximos dias uma denúncia contra Jorge Guaranho pelo assassinato de Marcelo Arruda. O policial penal federal foi indiciado na última semana por homicídio qualificado por motivo torpe e por perigo comum ao colocar a vida de outras pessoas em risco. A Polícia Civil afastou a hipótese de crime de ódio com motivação política, com base no depoimento da esposa do atirador. A tese, no entanto, é contestada pela defesa e familiares de Arruda, que continuam pedindo diligências.

A partir do recebimento do inquérito policial, a promotoria tem 15 dias para analisar o processo e trabalhar no oferecimento da denúncia. Em contato com a reportagem, o MP informou que aguarda a perícia do celular de Guaranho para se manifestar. Sobre a morte do vigilante, a Itaipu Binacional divulgou uma nota de pesar, em que afirma que Claudinei trabalhou na instituição por 20 anos, sempre como agente de segurança da Divisão de Segurança da Central. A empresa diz que “está prestando toda a assistência necessária à família, a quem expressa suas condolências”. Claudinei deixa esposa e três filhos.

Reportagem Ana Flavia Silva e Vanessa Fontanella

carolina.genez

Ponto de atracagem do ferry-boat em Caiobá está interditado

Ponto de atracagem do ferry-boat em Caiobá está interditado

Internacional Marítima realiza obras até o dia 25 de agosto

Motorista é ejetado de carro em acidente no Contorno Norte

Motorista é ejetado de carro em acidente no Contorno Norte

O trânsito no Contorno Norte chegou a ficar bloqueado por uma hora e meia

Mega-Sena: duas apostas do Paraná acertam 6 dezenas

Mega-Sena: duas apostas do Paraná acertam 6 dezenas

Duas apostas feitas no Paraná acertaram seis dezenas e foram ganhadoras do prêmio principal da

Justiça nega pedido de Habeas Corpus a Jorge Guaranho

Justiça nega pedido de Habeas Corpus a Jorge Guaranho

Para manutenção da prisão, o relator citou "as eleições que se avizinham"