Defesa de Claudia Cruz tenta reverter decisão de Moro que confiscou cerca de 600 mil da jornalista

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

A defesa da jornalista Claudia Cruz entrou com um recurso de apelação contra a decisão do juiz Sérgio Moro que determinou o confisco de cerca de 600 mil reais das contas dela fora do país. A medida foi tomada na mesma sentença em que o magistrado absolveu a esposa do deputado cassado Eduardo Cunha dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Os advogados da jornalista ainda pedem que a Justiça apresente, perante a instâncias superiores, os motivos pelos quais houve o bloqueio. O valor confiscado está depositado em contas que Cláudia mantinha secretamente na Suíça. De acordo com o Ministério Público Federal, a jornalista manteve no exterior dinheiro proveniente de propina recebida pelo marido.

Entre 2008 e 2014, ela teria gasto um milhão de dólares com compras de luxo. Os procuradores afirmam que ela tinha plena consciência dos crimes que praticava, e era a única controladora das contas, utilizadas para pagar as despesas no cartão de crédito. O gasto, de acordo com a denúncia do MPF, era totalmente incompatível com os salários e o patrimônio lícito” dela e de Cunha. Depois da sentença que absolveu Claudia Cruz, o MPF disse que iria recorrer da decisão, mas até o momento os procuradores não se manifestaram. De acordo com Moro, a absolvição na área criminal não impede que a esposa de Cunha seja responsabilizada na área cível.

A jornalista já responde a uma ação por improbidade administrativa junto com Eduardo Cunha. Neste processo, o Ministério Público Federal pede a perda de quatro milhões e quatrocentos mil reais encontrados na conta bancária de Cláudia Cruz, o pagamento de multa de três vezes o valor, além da suspensão dos direitos políticos e a proibição de firmar contratos com o poder público por 10 anos.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*