PF investiga se suspeita de adoção ilegal está envolvida em outros casos

A Polícia Federal cumpriu na manhã dessa quarta-feira (31) mandados de busca e apreensão na casa da suspeita de tentar intermediar a adoção ilegal de um menino em Cascavel, no oeste do Paraná. De acordo com a PF, foram apreendidos documentos e aparelhos celulares.

O delegado Mário Sérgio Leal Junior, que está à frente das investigações, disse que a operação foi realizada para descobrir se Maria Conceição Queiroz, conhecida como Maria Paraguaia, está envolvida no tráfico de outras crianças. Outros dois mandados foram cumpridos na casa do casal que estaria interessado em adotar o menino e na de outro investigado. O conteúdo do material apreendido não foi divulgado.

No começo da semana, Maria Paraguaia disse que o menino encontrado na frente da casa dela no dia 10 de outubro é filho de uma sobrinha. A adolescente, de 17 anos, estava na casa da suspeita com outra menina, de dez anos, no dia em que ela foi presa por tráfico internacional de pessoas. O delegado da PF disse que deve intimar a suspeita para nova audiência, já que as versões apresentadas por ela são contraditórias.

Maria Conceição está detida por tempo indeterminado na Cadeia Pública de Corbélia. Segundo o Núcleo de Proteção de Crianças e Adolescentes Vítimas de Crimes (Nucria), a suspeita receberia setecentos reais pela adoção do menino encontrado em Cascavel. No entanto, o casal que iria adotar a criança desistiu do trâmite, depois de não conseguir a documentação necessária. A família teria sido identificada nas redes sociais.

De acordo com as investigações, eles são de uma cidade paraguaia (Ñemby) que fica a 459 km de Cascavel. Oito pessoas já foram ouvidas pela polícia. O advogado de defesa, Felipe Veloso, informou que não vai se manifestar sobre o mérito do processo antes do fim do inquérito policial.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*