STF suspende ação penal da terceira fase da Operação Publicano

O andamento da ação penal da terceira fase da Operação Publicano – que investiga um esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná – foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal. A decisão do Ministro Gilmar Mendes foi baseada nos argumentos da defesa de um dos 18 réus do processo, o auditor José Luiz Favoreto, que alegou que um mandado de busca e apreensão teria sido cumprido sem a determinação da Justiça e, portanto, teria gerado provas ilícitas. Com a medida, o processo fica paralisado até o julgamento do mérito pela Segunda Turma do STF.

Não há prazo para que isto ocorra. A terceira fase da Publicano estava na etapa de audiências. A investigação apura um esquema de corrupção ligado ao auditor José Luiz Favoreto, que já chegou a ocupar o cargo de Delegado da Receita Estadual em Londrina, no norte do Estado.

De acordo com o Ministério Público do Paraná, Favoreto teria recebido R$ 7 milhões em propina e teria encoberto o montante com a compra de imóveis, carros de luxo e empresas. Ele já foi condenado na primeira sentença da Publicano por organização criminosa, falsidade ideológica, corrupção passiva tributária, corrupção ativa e violação do sigilo funcional.

Comments

  1. Helington Adylson Rodrigues says:

    O Gilmar Mendes sente prazer em defender corruptos quer tirar o lugar do LULA como corrupto pode cair a casa dele olha que tem uma bomba pra ele que se sair a luz sua desmoralizao vai ser total e melhor ficar quieto sapo de boca a berta nao apanha mosca

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*