ParanáGeral

Caso Isabelly: defesa solicita desaforamento do júri

Medida visa retirar da cidade de Pontal do Paraná a possibilidade de julgar o réu

 Caso Isabelly: defesa solicita desaforamento do júri

Foto: Reprodução/Facebook

A defesa de Everton Vargas, acusado de matar a Youtuber Isabelly Cristine Santos, pede na justiça pelo desaforamento do júri. A medida visa retirar da cidade de Pontal do Paraná a possibilidade de julgar o réu. O pedido foi protocolado nesta sexta-feira, quatro dias após o adiamento do júri.

O julgamento estava marcado para a última segunda-feira (24), mas houve falta de jurados, já que quatro pessoas afirmaram que não poderiam analisar o caso de maneira isenta. Um novo sorteio chegou a ser feito, entretanto o número de jurados foi insuficiente.

Veja mais:

Com essa nova solicitação, a juíza da comarca de Pontal decidiu suspender o andamento do processo até que o Tribunal de Justiça do Estado decida sobre o pedido. O advogado de defesa, Cláudio Dalledone, falou sobre a decisão.

Everton Vargas é acusado de matar a youtuber Isabelly Cristine Santos, de 14 anos, em Pontal do Paraná, no litoral do estado. Ela morreu em fevereiro de 2018. De acordo com a Polícia Civil, Isabelly foi atingida por um tiro acima do olho esquerdo. O disparo, segundo as investigações, saiu da arma portada por Everton, que atirou três vezes contra o carro onde estava Isabelly.

O crime ocorreu durante um desentendimento no trânsito, na PR-412, em Pontal do Paraná. O pai da adolescente e um amigo dele também estavam no carro. A vítima foi socorrida, mas morreu no mesmo dia. Everton responde pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe e porte ilegal de arma de fogo.

O primeiro júri deveria ter acontecido no dia 7 de março, mas foi adiado para outubro para que algumas imagens da reconstituição do crime fossem anexadas ao processo. Na sentença que decidiu pelo júri popular de Everton, a Justiça definiu que o irmão dele, Cleverson Vargas, que dirigia o carro onde os dois estavam, fosse processado por embriaguez ao volante. O réu ficou detido e cumpriu prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. No entanto, ganhou liberdade após o adiamento do júri.

Em nota, a Assistência de Acusação disse que considera a decisão tomada pela juíza natural e que a medida decorre do devido processo legal. Ainda de acordo com a nota, as circunstâncias fáticas do processo e a acusação permanecem as mesmas e que no momento é preciso aguardar que o Tribunal julgue o desaforamento e determine a nova data e local para o julgamento do acusado. 

Reportagem por Vanessa Fontanella

jully.mendes

Hospital Erasto Gaertner completa 50 anos

Hospital Erasto Gaertner completa 50 anos

Instituição comemora avanços no combate ao câncer

Por dia, 15 mulheres e meninas sofrem estupro no Paraná

Por dia, 15 mulheres e meninas sofrem estupro no Paraná

Dado é do Fórum Brasileiro de Segurança Pública referente ao primeiro semestre de 2022

Após ser liberada, BR-376 tem lentidão na região da Serra

Após ser liberada, BR-376 tem lentidão na região da Serra

Trecho do deslizamento está em pista simples, em ambos os sentidos

PF faz operação contra vereador da RMC

PF faz operação contra vereador da RMC

Investigação aponta que o parlamentar exigia devolução de parte dos salários de assessores