PolíticaGeral

Renato Freitas: após liminar, Câmara suspende sessão sobre cassação

Justiça decidiu suspender liminarmente para ter tempo de analisar os argumentos; Câmara vai recorrer

 Renato Freitas: após liminar, Câmara suspende sessão sobre cassação

Foto: Carlos Costa – CMC

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) vai recorrer ao Tribunal de Justiça (TJPR) contra a decisão liminar que suspendeu a sessão plenária que julgaria o pedido de cassação do vereador Renato Freitas (PT). O caso seria analisado pelos vereadores na tarde de hoje (quinta, 19). No entanto, a 5.ª Vara da Fazenda Pública acolheu parcialmente os pedidos da defesa do petista e determinou a suspensão da sessão extraordinária. A juíza Patricia de Almeida Gomes Bergonse justificou que há risco de “prejuízo grave e irreparável” ao vereador, e por isso decidiu suspender o julgamento até que não restem dúvidas sobre a legalidade do processo.

No período da manhã, na Câmara Municipal de Curitiba, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) analisou o último recurso de Renato Freitas antes do envio do parecer pela cassação ao plenário. Por 5 votos a 1, os integrantes do colegiado acolheram o parecer do vereador Marcelo Fachinello (PSC), que rejeitava os últimos argumentos da defesa do petista.

O único voto discordante foi do vereador Dalton Borba (PDT). Assim como havia defendido na Comissão de Ética, na semana anterior, o parlamentar argumentou que a cassação é uma punição desproporcional ao fato.

Na CCJ, o constitucionalista ponderou que a realidade dos fatos e o contexto da manifestação precisam ser considerados na dosimetria da pena:

Autor do parecer que rejeitou o recurso, o vereador Marcelo Fachinello (PSC) apresentou à Comissão um resumo do documento de mais de 30 páginas. Durante a argumentação, o parlamentar rebateu, ponto a ponto, cada um dos apontamentos da defesa. Fachinello rejeitou as teses de inconstitucionalidade ou desproporcionalidade na condução do caso pela Câmara Municipal.

Sobre a possibilidade de Renato Freitas ser punido de forma mais branda, sem a perda do mandato, o relator afirma que não há espaço no regimento para moldar a punição:

Ao discordar do parecer, Dalton Borba avaliou que era importante relembrar o motivo da manifestação que levou Renato Freitas à Igreja do Rosário, no dia 5 de fevereiro. Na ocasião, em todo o Brasil, movimentos sociais promoveram protestos antirracistas após a morte por espancamento do congolês Moïse Kabagambe e do assassinato a tiros de Durval Teófilo Filho, ambos ocorridos no Rio de Janeiro por questões raciais:

O advogado Guilherme Gonçalves, defensor de Renato Freitas, afirmou que todo o processo de julgamento do vereador, desde as primeiras representações, está contaminado por ilegalidades. Ele reafirmou que parte das denúncias – como a que afirma que Freitas era o líder da manifestação, ou que houve agressões a fiéis – é mentirosa.

E argumentou que cassar o mandato é uma punição desproporcional ao suposto erro:

A liminar concedida pela juíza Patricia de Almeida Gomes Bergonse é válida até que a Corregedoria da Câmara apure a autoria e a veracidade de um email com teor racista enviado para Renato Freitas. Segundo ele, a mensagem eletrônica foi enviada pelo e-mail funcional do relator do procedimento no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, Sidnei Toaldo (Patriota), que nega ser o autor do texto. A dúvida sobre o caso coloca em xeque a imparcialidade do processo. Segundo a juíza, se as denúncias apresentadas forem apuradas verdadeiras, podem levar ao afastamento de Tolado da relatoria e à nulidade do processo.

No final da manhã desta quinta-feira (19), diante da liminar que suspendeu a sessão extraordinária para julgamento do pedido de cassação de Renato Freitas, a Câmara informou que ainda não há uma data prevista para remarcação. O Legislativo vai debater a decisão da 5.ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba junto ao Tribunal de Justiça do Paraná.

Reportagem: Angelo Sfair/Leonardo Gomes.

Avatar

felipe.costa

Moro deve ser julgado em abril, define TRE-PR

Moro deve ser julgado em abril, define TRE-PR

Senador é acusado de abuso de poder econômico e pode ter mandato cassado

Moro: Juiz é nomeado e julgamento pode ter data marcada

Moro: Juiz é nomeado e julgamento pode ter data marcada

Nomeação foi publicada no Diário Oficial; Sergio Moro é acusado de abuso de poder econômico

CMC aprova divulgação obrigatória de lista de espera do SUS

CMC aprova divulgação obrigatória de lista de espera do SUS

As listas deverão especificar cada modalidade de consulta, exame e intervenção cirúrgica oferecidos

Maria Letícia desabafa em vídeo: “resumida a uma velha bêbada”

Maria Letícia desabafa em vídeo: “resumida a uma velha bêbada”

Vereadora responde a processos na Justiça e Câmara suspeita de desacato e embriaguez ao volante