NacionalGeral

Uso excessivo do celular por crianças pode desencadear fobia

Patologia decorre da ansiedade e do medo de perder o acesso ao aparelho

 Uso excessivo do celular por crianças pode desencadear fobia

(Foto: Freepik)

O uso excessivo do telefone celular por crianças pode desencadear quadros de ansiedade e uma fobia de ficar sem o aparelho. A nomofobia, que deriva da expressão inglesa no-mobile-phone phobia, é uma patologia clínica que decorre do medo das crianças de perder o acesso ao celular; e com isso, a possibilidade de checar as redes sociais, conferir notificações, enviar mensagens, ou de usar a aparelho para jogos.

O transtorno preocupa especialistas e chama a atenção de pais reticentes em controlar o acesso dos filhos à tecnologia. A administradora Fernanda Barbieri é mãe de uma criança em idade escolar. Ela conta que tem adotado medidas para controlar a ansiedade da filha, reduzindo o uso dos eletrônicos.

A fobia de ficar sem o celular pode atingir também os adultos, mas nas crianças é mais grave, pois o cérebro delas ainda está em formação. Para o médico pediatra e professor universitário Eduardo Jorge Custódio, o uso excessivo do aparelho pode prejudicar o desenvolvimento cognitivo dos menores.

Não há consenso dos especialistas em relação ao tempo ideal de exposição ao celular, pelas crianças. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a oferta de outras alternativas de entretenimento aos pequenos, como forma de substituir parte do período gasto com o celular. A instituição recomenda, ainda, o controle de tempo e de conteúdo consumido pelas crianças no uso do aparelho.

Reportagem: David Musso

David Musso

Apresentador | Repórter | Jornalista | Twitter: @drmusso

Bolsistas do Pnaes vão receber auxílio nesta quinta-feira (08)

Bolsistas do Pnaes vão receber auxílio nesta quinta-feira (08)

Com os cortes na Educação, estudantes ficaram sem a bolsa nesta quarta (07)

Números do Concurso 2546 da Mega-Sena

Números do Concurso 2546 da Mega-Sena

Prêmio principal chega a R$ 110,17 milhões

Universidades e Casa Civil se reúnem para discutir cortes

Universidades e Casa Civil se reúnem para discutir cortes

UFPR é uma das instituições afetadas e alega não ter recursos para pagar despesas básicas

Capes afirma que não tem dinheiro para 200 mil bolsas

Capes afirma que não tem dinheiro para 200 mil bolsas

Após bloqueios orçamentários, depósitos que deveriam ser feitos até esta quarta-feira (07) foram cancelados