Ministério Público pede aumento da pena de Carli FIlho

A defesa do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho disse nesta terça-feira (20) que vai se manifestar sobre a apelação do Ministério Público depois de analisar todo o conteúdo do documento. Na segunda-feira (19) o MP apresentou as razões do recurso que havia protocolado após o julgamento do ex-parlamentar.

Os promotores pediram aumento da pena de nove anos e quatro meses de prisão para 14 anos. O júri popular foi nos dias 27 e 28 de fevereiro deste ano. A acusação pede que sejam reconsiderados alguns pontos, como a velocidade do carro – que se assemelha à índices de pista de corrida, a decolagem do carro, que teria caído em cima do veículo das vítimas, e a embriaguez excessiva de Carli Filho ao volante, comprovada por vídeo e por testemunhas.

Carli Filho responde ao julgamento em liberdade, mas deve se apresentar à justiça de Guarapuava, onde mora, mensalmente. Uma medida cautelar obriga que o ex-deputado compareça todos os meses “em juízo, para informar e justificar suas atividades”. Caso descumpra a medida, ele pode ser preso preventivamente.

Uma carta precatória, emitida pelo juiz Daniel Ribeiro Surdi de Avelar, que conduziu o julgamento, foi encaminhada ao Tribunal do Júri de Guarapuava solicitando informações sobre o cumprimento da medida cautelar. Como pedia a acusação, Carli Filho foi condenado por homicídio com dolo eventual, por ter assumido o risco de matar.

O acidente de trânsito que matou Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20 anos, aconteceu na noite de 7 de maio de 2009.