Política

Proposta quer regulamentar “bicos” de policiais

 Proposta quer regulamentar “bicos” de policiais

Uma proposta feita pela associação dos bares e restaurantes do Paraná promete causar bastante polêmica entre policiais e órgãos de segurança privada no estado. A associação apresentou hoje à Assembleia Legislativa um projeto que visa regulamentar o serviço conhecido como “bico”. Atualmente, apesar de comum, a prática realizada por PM’s é proibida pela corporação. Segundo o Código da PM, o oficial que faz “bico” pode ser expulso. Para o presidente da Abrabar, Fábio Aguayo, a melhor saída é tornar o bico uma profissão legal, a exemplo do que  acontece em outros estados.

Já para o Sindicato das Empresas de Segurança Privada (Sindesp) a iniciativa não é bem vista. O presidente Maurício Smaniotto afirma que esse projeto pode até mesmo comprometer a segurança pública. Ele alega que a dupla jornada desgasta o policial.

A regulamentação dos “bicos” também encontra resistência por parte da associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares. De acordo com o presidente da Amai, coronel Eliseu Furquim, cabe ao governo a iniciativa de aumentar o salário dos oficiais, para que eles não precisem recorrer a outras atividades – regulares ou não.

A análise da proposta encaminhada pela Abrabar fica a cargo da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. A reunião de hoje foi agendada após a polêmica envolvendo um suposto caso de agressão no bar James, em Curitiba, ocorrido no último dia 06.

Band News Curitiba - 96,3 FM

A BandNews Curitiba está na cidade desde 2006. A emissora caiu no gosto do curitibano e, atualmente, está entre as dez rádios mais ouvidas da cidade.

Vereadores votam reposição salarial para servidores na terça

Vereadores votam reposição salarial para servidores na terça

Reajuste de 7,17% pode ser estendido aos próprios vereadores

Representação do PL quer invalidar votos da maioria das urnas

Representação do PL quer invalidar votos da maioria das urnas

Um laudo técnico indica que foram constatadas evidências de mau funcionamento de urnas eletrônicas