Projeto de lei da Paraná Previdência deve voltar à pauta da Assembleia na semana que vem

Depois de retirado da pauta de votação da Assembleia Legislativa, o projeto de lei que propõe uma alteração no Plano de Custeio e Financiamento da Paraná Previdência deve voltar ao debate somente na semana que vem. A proposta havia sido assinada pelo ex-governador do Paraná Beto Richa um dia antes de ele deixar o cargo para concorrer a uma vaga no Senado Federal. Nesta quinta-feira (12), a governadora Cida Borghetti afirmou que o texto foi retirado da ordem do dia para que os técnicos da Secretaria Estadual da Fazenda e da ParanáPrevidência possam fazer ajustes pontuais no texto.

Foi essa reforma na Paraná Previdência que deu início aos protestos em 2015, culminando na violência do dia 29 de abril daquele ano. O projeto pretende retirar do plano de custeio e financiamento do órgão um dispositivo que limita em 22% do total da folha de pagamento do Fundo de Previdência os aportes que deverão ser feitos ao fundo a partir de 2030. Ou seja, o projeto permitiria contribuições maiores do governo do estado ao Fundo de Previdência. Nesta quinta, Cida Borguetti ainda falou dos investimentos públicos feitos no Paraná entre os anos de 2014 e 2017.

De acordo com levantamento feito pela Instituição Fiscal Independente, organização vinculada ao governo federal, o Estado bateu recorde em aplicações. Só o ano passado, foram seis bilhões e oitocentos milhões de reais em investimentos. Segundo Cida Borguetti, para 2018, a intenção é ultrapassar os oito bilhões de reais.

De acordo com João Giona, coordenador de orçamento da Secretaria Estadual da Fazenda, entre os setores priorizados com esse aporte de investimento estão as áreas de infraestrutura, que inclui obras em estradas e ferrovias e ainda investimentos em desenvolvimento urbano das cidades.

O Paraná foi o estado que teve a maior taxa de crescimento real dos investimentos públicos de todas as regiões do país.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*