Vereadores afastados em Londrina têm prazo de 10 dias para apresentar defesa

Foto: divulgação / Câmara Municipal de Londrina

A Câmara Municipal de Londrina, no norte do Paraná, deu um prazo de dez dias para os vereadores acusados na operação Zona Residencial 3 apresentarem defesa. Mario Takahashi, do PV, e Professor Rony, do PTB, foram afastados dos cargos, suspeitos de participar de um esquema que aprovava mudanças no setor de zoneamento urbano do município, em troca de dinheiro.

A Câmara Municipal de Londrina acolheu uma orientação da Procuradoria Jurídica do Legislativo ao estipular o prazo.  A decisão foi anunciada pelo presidente da Câmara em exercício, Ailton Nantes, do PP, depois de uma reunião com integrantes da direção do Legislativo, o procurador jurídico e a assessora regimental.

No parecer jurídico entregue à Mesa Executiva, o procurador jurídico Miguel Aranega Garcia orienta que o Legislativo encaminhe cópia integral de todos os documentos aos representados para que apresentem defesa por escrito no prazo de dez dias.

O vereador Filipe Barros, do PRB, protocolou no dia 26 de janeiro uma representação que pede a abertura de Comissão Processante (CP) contra Mario Takahashi e Professor Rony, por ato incompatível com o decoro parlamentar.

Os dois vereadores são investigados na Operação ZR-3, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Eles foram ouvidos pelo Ministério Público na sexta-feira (2). Rony Alves negou todas as acusações.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*