Curitiba vai testar “drogômetro” em blitze de trânsito

Foto: Valdecir Galor/SMCS

A partir do mês que vem a fiscalização de Trânsito de Curitiba pode contar com as primeiras unidades do “drogômetro”. A capital paranaense vai testar os equipamentos para um estudo de viabilidade. Os “drogômetros” têm função similar aos etilômetros – conhecidos popularmente como “bafômetros”.

Mas, em vez de acusar a presença de álcool no sangue, os aparelhos vão apontar se o motorista está dirigindo sob efeito drogas. O Secretário Municipal da Defesa Social, Guilherme Rangel, diz que o aparelho é capaz de identificar oito tipos de substâncias ilícitas, como maconha, cocaína, crack, LSD e ecstasy.

O secretário explica que este é um projeto-piloto do Ministério da Justiça, que espera ampliar a utilização dos “drogômetros” dentro de um prazo de um ano:

Além de Curitiba, outras quatro cidades devem testar os “drogômetros”. Na capital, os aparelhos serão utilizados pela Guarda Municipal, que também atua no trânsito. Assim como nos testes para a validação do “bafômetro”, vários tipos diferentes de aparelhos devem ser testados neste primeiro momento:

Por se tratar de testes – com aparelhos ainda sem regulação e sem regulamentação – não haverá punição aos motoristas flagrados pelo “drogômetro”:

O convênio e o termo de cooperação técnica com o Ministério da Justiça ainda não foram assinados. Portanto, ainda não há detalhes de como será o funcionamento e a aplicação dos “drogômetros”, nem as contrapartidas oferecidas por Curitiba.

Reportagem: Angelo Sfair