ParanáGeral

Marcelo Arruda: Justiça inicia análise do processo antes de júri

Na avaliação do juiz, investigação apresentou indícios suficientes de autoria e materialidade do crime tipificado

 Marcelo Arruda: Justiça inicia análise do processo antes de júri

Imagem: Reprodução Redes Sociais

Após o recebimento da denúncia e tornar réu o policial penal Jorge Guaranho, a Justiça do Paraná inicia a análise do caso. Testemunhas devem ser ouvidas e provas juntadas ao processo. A etapa antecede a decisão do juiz Gustavo Arguello pelos crimes e qualificadoras as quais o policial será acusado em um futuro júri popular. Ao acolher a manifestação do MP, o magistrado apontou que “apesar de a jurisprudência majoritária dos tribunais superiores entender que a decisão de recebimento da denúncia não exige fundamentação, cumpre observar, de modo sucinto, que o caderno investigatório possui a presença de indícios suficientes de autoria e prova de materialidade do crime tipificado”. Guaranho tem 10 dias para oferecer, por escrito, respostas às acusações.

Responsável pela denúncia, o Ministério Público do Paraná (MPPR) informou que mesmo sem a conclusão de cinco laudos, entre eles – análise de vídeos de monitoramento, confronto balístico e perícia do celular de Guaranho – os resultados não foram imprescindíveis para o oferecimento da denúncia, que se não fosse feita no prazo, poderia acarretar inclusive na soltura do réu.

Segundo o promotor de justiça Tiago Lisboa, os laudos serão juntados ao processo e dependendo da relevância podem ser acrescentados a denúncia.

O crime aconteceu em 9 de julho, durante a comemoração do aniversário de 50 anos de Marcelo Arruda. Uma festa com decoração alusiva ao ex-presidente Lula e ao Partido dos Trabalhadores. Guaranho, teria tido acesso às câmeras do salão de festas e ido até o local para provocar os participantes. Ele e o aniversariante discutiram e mais tarde o policial penal federal retornou ao local, invadiu a festa e matou Arruda. Guaranho também foi atingido por tiros e está internado desde então. Ele estava na UTI e foi transferido ontem (quarta-feira, 20) para a enfermaria.

De acordo com o promotor de justiça Luís Marcelo Mafra, as provas e depoimentos colhidos até então permitiram que Guaranho fosse denunciado pelo crime de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e por colocar a vida de terceiros em risco.

Os promotores reconhecerem que não há previsão legal para denunciar o réu por crimes políticos, porém, afirmaram que Guaranho agiu por motivo fútil decorrente de “preferências político-partidárias antagônicas”.

Na avaliação do colunista da BandNews FM, Rodrigo Haidar, o Ministério Público optou por englobar a potencial motivação política em agravantes que possam implicar em aumento de pena em uma eventual condenação.

Apesar de continuar hospitalizado, o MP informou que Jorge Guaranho, agora oficialmente réu no processo, está preso preventivamente. Quanto aos laudos pendentes, o Instituto de Criminalística do Paraná, informou que eles devem ser concluídos em dez dias.


Reportagem: Leonardo Gomes.

felipe.costa

Estrada da Graciosa segue interditada, mas alguns acessos são liberados

Estrada da Graciosa segue interditada, mas alguns acessos são liberados

Segundo o DER-PR, uma trinca se abriu no quilômetro 7 da Estrada da Graciosa

Chuvas afetam abastecimento de água em SJP e Piraquara

Chuvas afetam abastecimento de água em SJP e Piraquara

O aumento da turbidez da água acarretou na suspensão da captação para manter a qualidade

Polícia Civil abre inquérito para apurar deslizamento na BR-376

Polícia Civil abre inquérito para apurar deslizamento na BR-376

Objetivo é apurar causas e possíveis responsabilidades sobre o acidente. Ainda não há previsão de

Vistoria define os próximos passos para a liberação da BR-376

Vistoria define os próximos passos para a liberação da BR-376

Avaliação é realizada neste sábado (3), pela equipe da concessionária que administra o trecho