Política

MP ainda não decidiu se vai recorrer para aumentar a pena de Carli Filho

 MP ainda não decidiu se vai recorrer para aumentar a pena de Carli Filho

(Foto: Ricardo Pereira/ BandNews FM Curitiba)

(Foto: Ricardo Pereira/ BandNews FM Curitiba)

O Ministério Público do Paraná deve decidir até a próxima segunda-feira (05) se irá recorrer da decisão que condenou o ex-deputado estadual Carli Filho a nove anos e quatro meses de prisão. O MP pode solicitar que a pena seja aumentada. Já a defesa de Carli Filho protocolou hoje (01) o recurso para tentar diminuir o tempo de prisão.

Mesmo se confirmada a decisão em segunda instância, no Tribunal de Justiça, Carli Filho deve ficar, no máximo, um ano e meio atrás das grades.  A garantia se dá com base na Lei de Execução Penal.

É o que explica o assistente de acusação, Elias Mattar Assad.

Para a mãe de Gilmar Rafael Yared – uma das vítimas, Christiane Yared, a primeira etapa foi vencida. Ela espera que o resultado sirva de base para os próximos julgamentos de crimes de trânsito.

Como pedia a acusação, Carli Filho foi condenado por homicídio com dolo eventual, por ter assumido o risco de matar. O acidente de trânsito que matou Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20 anos, aconteceu na noite de 7 de maio de 2009.

Band News Curitiba - 96,3 FM

A BandNews Curitiba está na cidade desde 2006. A emissora caiu no gosto do curitibano e, atualmente, está entre as dez rádios mais ouvidas da cidade.

Eleições 2022: em Brasília, Ratinho defende reeleição de Bolsonaro

Eleições 2022: em Brasília, Ratinho defende reeleição de Bolsonaro

Governador afirma que mais de 70% dos prefeitos do Paraná vão apoiar Bolsonaro

TSE promete medidas para evitar filas no 2º turno

TSE promete medidas para evitar filas no 2º turno

Filas foram registradas em todo o país neste domingo (02)

Dallagnol declara apoio a Jair Bolsonaro no segundo turno

Dallagnol declara apoio a Jair Bolsonaro no segundo turno

Assim como ele, o ex-juiz Sérgio Moro também se manifestou a favor de Bolsonaro