Políticos paranaenses se reúnem com universidades públicas para tentar barrar contingenciamento na Educação

(Foto: Daiane Andrade/BandNews Curitiba)

A bancada paranaense no Congresso Federal e os senadores do Estado se articulam para tentar barrar o bloqueio de 30% nas verbas de custeio das instituições federais de educação. Oito deputados e os três senadores do Paraná se reuniram nesta segunda-feira com os reitores da UFPR, UTFPR, Unila e IFPR. A ideia do encontro foi desenhar uma estratégia para tentar convencer o governo federal a desistir dos cortes no ensino superior.

O deputado federal Gustavo Fruet (PDT-PR) participou da reunião e disse que o PDT já entrou com uma ação no Supremo questionando os cortes. Segundo Fruet o governo anunciou o corte não como uma estratégia de contingenciamento e sim de retaliação.

O deputado federal Luizão Goulart (PRB-PR), que faz parte da comissão da educação na câmara, disse que vão ser feitas novas tentativas de negociação com o governo.

Os três senadores do Paraná também estiveram presentes na reunião com as universidades federais. Álvaro Dias (PODEMOS) disse que o governo está sem dinheiro, mas que nem por isso o Estado pode deixar de respeitar o orçamento aprovado. Caso contrário, segundo ele, o governo pode sofrer um impeachment no médio prazo.

Para o senador Oriovisto Guimarães (PODEMOS) o corte na educação foi mal conduzido e não houve diálogo com as instituições.

O senador Flávio Arns (REDE) considera que o Brasil vive um período muito difícil e complicado para a educação.  

Segundo dados apresentados na reunião, o corte reduziria o orçamento somente da Universidade Federal do Paraná de 2019 de R$ 161 milhões para R$ 112 milhões. Como comparação em 2014 o orçamento era de 170 milhões e em 2018 o orçamento era de 170 milhões.

Reportagem: Felipe Harmata/ Daiane Andrade

(Foto: Daiane Andrade/BandNews Curitiba)