TJ homologa delação premiada de ex-diretor da Secretaria de Educação

O Tribunal de Justiça do Paraná homologou a delação premiada do ex-diretor da Secretaria de Educação, Maurício Fanini. A colaboração foi prestada no âmbito da operação Quadro Negro. Desencadeada em 2015, as investigações apuram desvios de mais de R$ 30 milhões, em pelo menos 14 obras de construção e reformas de escolas públicas estaduais.

A delação foi assinada com o Ministério Público do Paraná em novembro do ano passado. Fanini está preso desde setembro de 2017. Em trechos do acordo, o ex-secretário de educação traz informações de pedidos de vantagens indevidas por parte dos deputados estaduais Ademar Traiano (PSDB) e Plauto Miró (DEM).

Segundo Fanini, Traiano teria solicitado pelo menos 500 mil reais para empreiteiros para a campanha eleitoral de 2014. Já o deputado Plauto Miró teria entrado em contato com Fanini para tratar de aditivos nas licitações de obras de escolas do estado e teria sugerido que os valores fossem pagos com dinheiro da Assembleia Legislativa do paraná. As investigações envolvendo parlamentares está sob responsabilidade da Procuradoria-Geral de Justiça do Paraná.

Já as apurações sobre quem não tem foro privilegiado segue com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O deputado Ademar Traiano disse que não vai se manifestar sobre o assunto e Paulo Miró disse que só vai se manifestar em juízo quando for intimado.

Reportagem: Thaissa Martiniuk

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*