Hospital Pequeno Príncipe recebe por volta de 300 crianças com sinais de abuso sexual

Mais de 600 crianças e adolescentes com suspeita de violência foram atendidas no Hospital Pequeno Príncipe em 2017. Mais de 50% dessas vítimas apresentavam sinais de abuso sexual. Segundo o hospital, sete a cada dez crianças foram agredidas dentro da própria casa, por pessoas próximas ou da família. A maioria das vítimas atendidas no ano passado foram meninas de até três de idade.

O ortopedista pediátrico do Hospital Pequeno Príncipe, Edílson Forlín, explica que a constatação do abuso pelos médicos tem como principal desafio o medo da criança em relatar as agressões.

Entre os casos mais graves atendidos no ano passado está o de um bebê de apenas seis dias de vida que chegou ao hospital com traumatismo craniano. Ao descobrirem que a criança teria que ser internada para a investigação sobre as causas do trauma, os pais fugiram com o bebê do local. A principal suspeita eram maus-tratos.

Edílson Forlin avalia que vítimas dessa natureza têm chance de ter graves sequelas no futuro.

O levantamento aponta que, em 52% dos casos, as crianças vítimas de violência apresentavam sinais de abuso sexual. O segundo tipo de violência mais detectado entre os pacientes foi a negligência, com 28%, seguido pela agressão física, com 13%. Uma a cada três crianças já havia sido vítima de agressão outras vezes e 142 delas precisaram de internação.

Forlín alerta para a importância da atenção aos sinais e, principalmente, da denúncia. Não só para evitar que as crianças passem por novos episódios de terror, mas para impedir que elas desenvolvam problemas físicos e psicológicos no futuro.

No próximo dia 18 de maio é lembrado o Dia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes. Quem presenciar casos de abuso ou agressão contra menores pode e deve denunciar por meio do telefone 156, da prefeitura de Curitiba, pelo 181, do Disque-Denúncia do estado e pelo Disque 100, do governo federal. As denúncias podem ser feitas de forma anônima.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*