Paraná tem casos de caxumba notificados em pelo menos cinco cidades

(Foto: Divulgação/Sesa)

(Foto: Divulgação/Sesa)

Pelo menos cinco surtos de caxumba já foram registrados este ano no Paraná pela Secretaria de Estado da Saúde. A doença foi notificada em 91 pacientes dos municípios de Ponta Grossa e Ortigueira, nos campos gerais, Turvo, na região central, Francisco Beltrão, no sudoeste, e Cândido de Abreu, no centro-norte. Como a enfermidade não tem notificação obrigatória, os números podem ser maiores.

Mas vale ressaltar que, por exemplo, dois casos em um mesmo local, como uma escola ou uma creche, já caracterizam um surto, ou seja, é algo bem diferente de uma epidemia.

De acordo com a Sesa, a faixa etária dos pacientes vítimas de caxumba mudou nos últimos anos, passando das crianças, que são vacinadas, para os adolescentes e jovens adultos. Tanto que a maioria das ocorrências verificadas é entre pessoas de 15 a 30 anos de idade, que não foram vacinadas ou receberam apenas uma dose da imunização.

A proteção está disponível para a população em qualquer Unidade de Saúde do Estado, exceto para as mulheres grávidas. Quem tem de 1 a 29 anos de idade deve receber duas doses da vacina tríplice viral, contra sarampo, caxumba e rubéola. Já as pessoas com idade de 30 até 49 recebem uma única dose.

A caxumba é uma enfermidade comum nesta época do ano, quando as pessoas costumam permanecer em ambientes fechados. Os cuidados para evitar o contágio são os mesmos para evitar a gripe.

Os principais sintomas da doença são inchaço na região do pescoço, dor ou dificuldade para engolir, dor de cabeça e febre moderada. A transmissão se dá pelo ar, de 7 a 10 dias depois que o paciente infectado começou a apresentar os sintomas, e quem perceber qualquer mudança deve procurar imediatamente ajuda médica.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*