Profissionais da saúde participam de curso para apurar mortes de macacos

Foto: Divulgação SEMA

60 profissionais de saúde do Paraná participam de um curso prático de coleta, armazenamento e envio de material biológico de macacos para a vigilância da febre amarela. A capacitação é feita pela Secretaria de Estado da Saúde, em parceria com a Universidade Federal do Paraná. O objetivo é descentralizar o processo de coleta, que atualmente é feito apenas em Curitiba, para todas as regionais do Estado. Segundo a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini, apesar de não haver casos de febre amarela no Estado, a situação de outras regiões do país demanda que os cuidados sejam redobrados.

Por enquanto, o Paraná não tem nenhum caso de macaco morto. A orientação é que a população avise a Secretaria de Saúde do município, caso se depare com primatas mortos. A notificação deve ser feita o mais rápido possível. A coleta do material biológico deve ser feita preferencialmente nas primeiras 8 horas após a morte do animal. O Paraná tem um caso confirmado da doença em Curitiba. Outros três casos são investigados com suspeita da febre amarela. Nenhuma morte foi registrada até agora.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*