Baixa procura de vacinação por adolescentes preocupa autoridades sanitárias no PR

 Baixa procura de vacinação por adolescentes preocupa autoridades sanitárias no PR

(Foto: Venilton Küchler/SESA)

(Foto: Venilton Küchler/SESA)

Os adolescentes paranaenses viraram motivo de preocupação para as autoridades sanitárias do Estado. É que grande parte desse grupo da população não tem comparecido nem sido levada pelos responsáveis às unidades de saúde para tomar as vacinas recomendadas à faixa etária e que integram o calendário vacinal do SUS, o Sistema Único de Saúde.

Com isso, além de ficarem desprotegidos de doenças graves, como o câncer de colo de útero, o tétano e a meningite, que podem até mesmo levar à morte, milhares de doses podem acabar descartadas devido à baixa procura.

De acordo com o chefe do Centro Estadual de Epidemiologia, João Luís Crivellaro, é preciso reverter esse cenário para que a cobertura chegue a níveis satisfatórios. Mas essa não é uma realidade apenas no Paraná.

Para saber quantas doses de cada vacina devem ser tomadas é preciso analisar a carteira de vacinação do paciente. Mas não é problema se o documento tiver sido perdido, estiver desatualizado ou se pessoa não souber quais e quantas doses já recebeu.

Na unidade de saúde, vão ser aplicadas todas as imunizações indicadas para a idade, segundo a tabela do Programa Nacional de Imunização.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, são adolescentes todas as pessoas com idades entre 10 e 19 anos. Para eles, são indicadas as vacinas contra a hepatite B, contra a febre amarela, a dupla (que protege da difteria e do tétano), a tríplice viral (que evita o sarampo, a caxumba e rubéola), a vacina contra o HPV e a meningocócica C, que protege da meningite.

Especialmente sobre a vacina contra o HPV, dados preliminares da Secretaria de Estado da Saúde de janeiro até agora mostram que menos de 6% das meninas e que apenas 6,03% dos meninos de 13 anos receberam a dose no Paraná. Por causa das complicações que a contaminação pelo vírus pode acarretar, o grupo que precisa receber a proteção foi ampliado e agora engloba também os meninos de 11 a 14 anos e meninas de 9 a 14 anos.

A dupla, contra difteria e tétano, deve ser reforçada a cada 10 anos e a cada cinco anos se a pessoa tiver ferimentos graves. E, neste ano, o Ministério da Saúde recomenda a aplicação de uma dose de reforço da vacina meningocócica C em adolescentes de 12 e 13 anos.

Vale lembrar que muitas vacinas tomadas na infância precisam ser reaplicadas na adolescência para garantir a imunização. As doses estão disponíveis em todo o Paraná por meio da rede pública de saúde.

Band News Curitiba - 96,3 FM

A BandNews Curitiba está na cidade desde 2006. A emissora caiu no gosto do curitibano e, atualmente, está entre as dez rádios mais ouvidas da cidade.

Paraná está oficialmente livre da epidemia H3N2

Paraná está oficialmente livre da epidemia H3N2

A notícia foi divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde

Programa Opera Paraná deve realizar 60 mil cirurgias eletivas

Programa Opera Paraná deve realizar 60 mil cirurgias eletivas

A implantação do programa tem por objetivo diminuir as filas de espera

3 pessoas se afogam e precisam ser socorridas em Caiobá

3 pessoas se afogam e precisam ser socorridas em Caiobá

Adolescentes foram retirados do mar conscientes e passam bem