COLUNAS

Colunistas // Mirian Gasparin

Nomes curtos ajudam consumidores na memorização

 Escolha do nome da empresa exige criatividade e cautela

Foto: José Fernando Ogura/ANPr

Escolher um nome para a empresa é um dos passos mais importantes e desafiantes para quem está abrindo um negócio. E essa não é uma tarefa fácil. Afinal de contas, em meio a mais de 18 milhões de empresas existentes no Brasil, sendo 367 mil só em Curitiba, definir um nome que faça toda a diferença nesse universo exige muito estudo e criatividade.

O empresário ao começar a pensar o nome da sua empresa deve em primeiro lugar conhecer o seu público-alvo. Neste sentido é importante saber qual a maneira que os potenciais consumidores do produto ou serviço costumam agir, que linguagem utilizam e se estão presentes nas redes sociais ou não. Informações como o nível de educação e situação econômica dos futuros clientes também poderão ajudar a escolher o nome certo para a empresa, que irá gerar mais reconhecimento do seu público.

Muito cuidado com os nomes longos. Deve-se dar preferência para nomes curtos e fáceis de lembrar e pronunciar. Isso ajudará na memorização do consumidor, que se recordará mais facilmente da empresa.

Outro item importante é relacionar o nome com o ramo de atuação. Por exemplo, não é inteligente colocar o nome de um restaurante com coisas que remetam a números ou planilhas. O nome tem que transmitir alguma informação sobre o ramo da empresa, a atitude ou mesmo seus objetivos.

Modismos devem ser eliminados na hora da criação. Existem diversos negócios que se inspiram em algum jargão, novela, personagem ou programa de televisão, que a longo prazo não será interessante. É preciso enxergar onde a empresa estará daqui a alguns anos e um nome baseado em alguma “modinha” deixará de ser atraente no futuro. Portanto, se a perspectiva é de crescimento empresarial nomes com prazo de validade não farão qualquer sentido.

Também vemos muito hoje empresas com o nome do seu dono. O que eu posso dizer é que usar o nome pessoal pode ser limitante. Porém, caso o nome do empresário se relacione com a solução que a sua empresa oferece, dá para considerar formas inteligentes de construir uma marca em torno dele.

Outra dica importante, é dar preferência a nomes com letras no início do alfabeto. Esta é apenas uma estratégia de marketing que pode ajudar na visibilidade da empresa. Por exemplo: os catálogos geralmente são organizados em ordem alfabética. Então, se o concorrente tiver um nome iniciado com a letra “a”, será encontrado mais rapidamente pelo cliente.

Além disso, nomes que iniciam com as letras X, Y e Z, podem apresentar grafia e pronúncia difícil e, portanto, devem ser evitados.

Para finalizar é preciso confirmar que não existe outra empresa com o nome escolhido. No Brasil o Instituto Nacional de Propriedade Industrial é o responsável pelo registro oficial. Dessa forma, o nome da empresa só se tornará válido se for feito pelo INPI, evitando plágios e cópias de marcas.

Confira a coluna em áudio:

Mirian Gasparin